Nadando com tubarões-baleia em Oslob, Filipinas

Nadar com tubarões-baleia é uma das principais atividades turísticas da Ilha de Cebu, nas Filipinas. Oslob, um município no sudeste da ilha, é o mais famoso ponto de observação desses gigantes em todo país.

  • Além de Oslob, você também pode nadar com os tubarões-baleia em Donsol, na província de Sorsogon.

Estivemos por lá em dezembro de 2017, quando conhecemos e nos encantamos com as diversas atrações de Cebu.  Nosso passeio foi organizado pela agência Highland Adventures. Para saber mais sobre novas aventuras em Cebu, clique aqui.

Barcos em Oslob, Filipinas
Barcos em Oslob, Filipinas

O que são Tubarões-Baleia?

O tubarão-baleia é o maior peixe vivo do planeta, podendo chegar a 12 metros de comprimento. O nome do animal está relacionado ao seu tamanho, comparável ao de uma baleia. Os que conhecemos em Oslob, entretanto, tinham em torno de 4 metros de comprimento. São belos animais de cor cinza repletos de pontos brancos.

Tubarão-Baleia e suas 5 brânquias de cada lado, Oslob, Cebu
Tubarão-Baleia e suas 5 brânquias de cada lado, Oslob, Cebu

Os tubarões-baleia são animais que se alimentam de plâncton (organismos estacionários no mar), que podem incluir ovos de peixes, caravelas, larvas de caranguejos, pequenas lulas e até pequenos peixes.

São conhecidos como animais filtradores. O animal abre boca e nada para frente, empurrando a água e a comida para dentro da boca. Posteriormente, a água é expulsa pelas brânquias e o alimento fica retido. São 5 brânquias de cada lado.  Um tubarão-baleia jovem se alimenta de 21 kg de plâncton por dia.

Tubarão-baleia em Oslob, Filipinas
Tubarão-baleia em Oslob

Mesmo podendo mergulhar até 1.500 metros de profundidade, os tubarões-baleia preferem ficar na superfície. Parecem submergir para respirar, mas, de fato, estão se alimentando.

Os tubarões-baleia não se juntam espontaneamente em Oslob. Os pescadores locais começaram a alimentar os tubarões-baleia, atraindo os animais, o que movimentou a economia local, mas provocou alterações nos padrões alimentares dos tubarões.

Regras para nadar com tubarões-baleia

Barcos em Oslob, Cebu
Barcos em Oslob, Cebu

Os tubarões-baleia não são perigosos para os seres humanos, mas é importante seguir algumas regras para nadar junto com eles. Em Oslob, você acabará vendo algumas pessoas descumprindo essas regras. Entretanto, o seu descumprimento pode levar à multa de 2.500 pesos filipinos ou até 4 a 6 meses de prisão. Ou seja, melhor não arriscar!

A primeira regra é não tocar no tubarão-baleia. São animais selvagens e que podem, eventualmente, reagir de forma violenta.

 

A segunda é não utilizar flash nas suas fotos. Os animais são sensíveis à luz.

A terceira é usar os coletes salva-vidas. Mesmo sabendo nadar, nossos barqueiros não nos deixaram retirar os coletes, o que atrapalhava um pouco a experiência.

A quarta é manter uma distância mínima de 4 metros do tubarão-baleia. Caso o animal venha em sua direção, você só precisa dar passagem. Não precisa entrar em pânico.

  • No meu caso, fui surpreendido com o tubarão-baleia passando por debaixo de mim em várias oportunidades. Não vou negar, mas dá um friozinho na barriga ver aquele gigante passando por debaixo de você.

A quinta regra é não usar protetor solar ou cremes, pois contém produtos químicos que podem afetar o animal.

Nossa experiência

Chegamos cedo em Oslob. Nem havíamos tomado o café da manhã. As atividades costumam ocorrer até 11 ou 12 horas, mas desde as 6hs, o local está cheio de turistas.

Os ingressos custam 1.000 pesos filipinos para estrangeiros, mas já estavam incluídos no nosso pacote com a Highland Adventures.

Briefing no Centro de Apoio, Oslob, Ilha de Cebu
Briefing no Centro de Apoio, Oslob, Ilha de Cebu

O primeiro passo foi receber um briefing num centro de apoio. Logo depois, pegamos as máscaras de snorkeling e os coletes salva-vidas e seguimos para um barco a remo.

  • O barco é aquele típico das Filipinas, tendo uma estrutura de madeira em volta para dar maior estabilidade à embarcação.

Chegando à área de interação, a 50 metros da costa, os turistas lá permanecem durante 30 minutos.

 

Fomos orientados a não deixar a área de estrutura de madeira em volta do barco.

A experiência é muito agradável. É muito bonito poder ver, nadar e apreciar os dóceis tubarões-baleia, apesar de todas as controvérsias e de todas as limitações.

Controvérsias sobre a atividade em Oslob

Há muitas controvérsias sobre nadar com os tubarões-baleia em Oslob. Apesar de movimentar a economia local, gerando benefícios para uma grande comunidade de pescadores, muitas organizações de conservação marinha condenam essa atividade por ser uma modalidade de turismo não sustentável.

Argumenta-se que a falta de diversidade na alimentação com uma espécie de camarão pode acarretar má nutrição.

Ademais, os animais passam a associar barcos e pessoas com a alimentação e se aproximam deles mesmo na ausência de comida. As hélices dos barcos podem machucar os tubarões e tocá-los remove uma camada mucosa que os protege contra doenças infecciosas.

Por fim, a concentração dos animais pode afetar os seus padrões migratórios e reprodutivos. Diminui-se a chance de reprodução (fonte: StingyNomads.com).

Tubarão-baleia em Oslob, Filipinas
Tubarão-baleia em Oslob, Filipinas

A National Geographic detalha melhor essas críticas:

“Quanto aos tubarões, a maioria visita por alguns dias ou semanas e depois vai embora. Mas alguns – quatro por cento do total – se tornam residentes permanentes. Cientistas se preocupam que os tubarões que recebem essa alimentação por muito tempo possam sofrer com isso, fisiológica e comportamentalmente. (…)

O camarão que eles comem é uma variedade menor de criaturas planctônicas do que eles comeriam naturalmente. Não é junk food, mas também não é exatamente uma dieta saudável. Tubarões-baleia associam os barcos à comida de graça, essa conexão pode levá-los a situações perigosas em outros lugares.

Quase metade dos tubarões-baleia estudados em Oslob têm cortes de hélices em seus corpos, que devem ter acontecido em outro lugar, já que as operações usam apenas barcos a remo.

Esses animais também têm mais chances de um dia se aproximarem de uma embarcação de pesca de tubarão. Tubarões-baleia são protegidos nacionalmente nas Filipinas desde 1998, mas a pesca ilegal persiste, e em outros lugares dentro do alcance enorme dos animais, onde talvez não sejam necessariamente protegidos.”

À época da visita, não sabia de nada disso. Sinceramente, não tenho uma posição formada sobre o assunto, mas acho importante alertá-los sobre os questionamentos gerados por essa atividade de turismo.

Emerson Cesar

Apaixonado por viagens e por fotografia. Começou a descobrir o mundo há 10 anos e já visitou 71 países. Gosta de caminhar a esmo pelas cidades mundo afora, observando as pessoas, as comidas, as construções e a arquitetura. É formado em Engenharia e Direito.

Press ESC to close

Enviando dinheiro para a Argentina via Western Union Buenos Aires: comendo bem e barato