Helsinque é a capital e maior cidade da Finlândia, um país nórdico situado na região chamada Fino-Escandinávia. Helsinque, além de ser um destino turístico em si, também é a porta de entrada para quem pretende visitar a Lapônia e ver a aurora boreal ou conhecer a famosa Casa do Papai Noel.

Num outro post, falamos sobre as dicas essenciais para quem vai a Helsinque: como chegar; onde se hospedar; onde comer; como se deslocar e o que fazer na cidade. Leia aqui.

Neste artigo, faço uma avaliação pessoal da cidade: será que vale a pena incluí-la nos seus roteiros de viagem?  Confira!

Helsinki Marina, Finlândia
Helsinki Marina, Finlândia

Vale a pena visitar Helsinque?

Para avaliar esse destino, vamos ponderar seus pontos positivos e seus pontos negativos sob o ponto de vista exclusivo dos turistas.

  • Não tenho condições de avaliar a cidade sob o ponto de vista de quem quer estudar, trabalhar ou pesquisar, por exemplo, em áreas de inovação e tecnologia. Tenho lido que a cidade se destaca nessa área e, eu mesmo tive uma amostra disso, ao observar nas ruas testes realizados com novos veículos inovadores (sem motoristas, etc.).
Ciclovias e Pistas de Caminhada em Helsinque, Finlândia
Ciclovias e Pistas de Caminhada em Helsinque

Como pontos positivos, destaco que a Helsinque é uma cidade limpa, arrumada, segura e que preza pela sustentabilidade ambiental. Conta com uma excelente infraestrutura de transporte e é muito amigável ao ciclista e ao pedestre.

Muita coisa pode ser explorada a pé. Além disso, as pessoas são educadas e honestas, o que é compatível com o elevado grau de desenvolvimento socioeconômico do país.

Esteiras de Bagagem no Aeroporto de Helsinque (HEL), Finlândia
Esteiras de Bagagem no Aeroporto de Helsinque: aguarde a sua vez para pegar a mala!

Um ponto positivo do país é que ele integra a Zona do Euro. Portanto, você leva Euro e não precisará fazer uma segunda operação de câmbio. Hoje em dia, entretanto, com o real desvalorizado, esse fato pode ser entendido sob um viés negativo.

Apesar disso, Helsinque não é um bom destino turístico, especialmente para nós, os visitantes dos trópicos.

Em primeiro lugar, a cidade é cara. A acomodação e os serviços de alimentação e transporte são caros. Bebida Alcoólica (cervejas ou vinhos) também é cara em relação aos padrões europeus. Imagine em pagar 7,5 Euros por uma cerveja e 12 Euros por uma taça de vinho.

Em segundo lugar, Helsinque é fria. Ademais, pode chover bastante em determinadas épocas do ano, especialmente, no inverno. Nessa estação, o período de iluminação diário se reduz bastante podendo chegar a apenas 6 horas diárias. Imagine só ver o sol nascer às 9hs e se por às 15hs. Eu passei por isso em Estocolmo. É depressivo!

Em terceiro lugar, Helsinque, fora do verão, não é uma cidade viva. É uma cidade triste com poucas pessoas nas ruas e nos parques.

Por fim, suas atrações turísticas não são assim tão interessantes. Digo, podem até ser boas, mas nada que justifique alterar seus roteiros de viagem.

Catedral de Helsinque, Finlândia
Catedral de Helsinque, Finlândia

A Catedral de Helsinque, por exemplo, é bonita por fora, mas, por dentro, é bem sem graça. A Catedral Ortodoxa, por sua vez, não se compara às catedrais que visitei em Kiev, Moscou ou Kazan.

Quando pesquisamos os day trips disponíveis a partir de Helsinque, encontramos, principalmente, a visita a Tallinn, na Estônia, o que evidencia a falta de atrações.

Suomenlinna, Helsinque, Finlândia
Suomenlinna, Helsinque

O que mais gostei de Helsinque foi visitar as Ilhas de Suomenlinna. Caminhar pelas trilhas, visitar a fortaleza e os museus, bem como, apreciar a vegetação no outono foi muito interessante.

É importante lembrar que, para a maioria de nós, o tempo e os recursos financeiros são limitados.  Incluir uma cidade no roteiro de viagem implica, geralmente, retirar outra. Particularmente, eu prefiro São Petersburgo, Tallinn ou Estocolmo a Helsinque.

Conclusão

Apesar de ser uma cidade limpa, segura e arrumada, Helsinque é cara e não tem atrativos tão interessantes capazes de fazer você incluí-la nos seus roteiros de viagem.

Trata-se, obviamente, de uma opinião, baseada na minha experiência pessoal de viagem a Helsinque, no outono. Além disso, tudo tem a ver com o que você viveu no destino, os momentos que passou. Obviamente, quem visitou no verão ou numa época de festivais (exemplo, Natal) provavelmente teve uma experiência bem diferente e melhor.

A minha recomendação para quem quer conhecer Helsinque é fazer um day trip a partir de Tallinn, na Estônia. Se você gostar, você retorna e fica mais tempo na cidade. Volte, preferencialmente,  no verão.

Apaixonado por viagens e por fotografia. Começou a descobrir o mundo há 10 anos e já visitou 71 países. Gosta de caminhar a esmo pelas cidades mundo afora, observando as pessoas, as comidas, as construções e a arquitetura. É formado em Engenharia e Direito.

Pin It