Mangue Seco: passeio de 1 dia a partir de Aracaju [por conta própria]

Mangue Seco é um povoado de cerca de 200 habitantes, localizado no município de Jandaíra, na Bahia. Mangue Seco fica no extremo de uma península (não é uma ilha) na divisa entre os estados da Bahia e Sergipe, onde os rios Real e Piauí desaguam no oceano atlântico.

De um lado da península, margeado pelo rio Real, fica o povoado de Mangue Seco com algumas casas, pousadas, mercearias, lojas de artesanato, um calçadão e uma igreja. É lá onde atracam as embarcações trazendo os turistas e também onde começam e terminam os passeios de buggy. Do outro lado da península, fica a praia de Mangue Seco, com algumas barracas cobertas de palha, banhadas pelo oceano. Entre o povoado e a praia, ficam as dunas de até 30 metros de altura com seus coqueiros — a principal atração da localidade.

Ao sul da península, está o povoado de Coqueiro, que também é uma localidade rústica margeada pelo Rio Real.


Leia também:


A Novela Tieta

Mangue Seco tornou-se um destino turístico famoso, principalmente, em função da novela Tieta da Rede Globo (1989-1990), inspirada na obra Tieta do Agreste, do renomado escritor Jorge Amado. Participaram da novela atores e atrizes consagrados como Betty Faria, Joana Fomm, Reginaldo Faria, Cassio Gabus Mendes, Sebastião Vasconcelos e Paulo Betti, dentre outros (fonte: Memorial Globo).

Afirma-se que a novela teria sido filmada em Mangue Seco, o que não é bem verdade. A novela foi filmada em uma cidade cenográfica de ‘Santana do Agreste’, construída em Guaratiba, um bairro da zona oeste do Rio de Janeiro/RJ. Foi construída uma reprodução do calçamento das ruas de Laranjeiras/SE, feita em fibra de vidro por artesãos locais. Artistas sergipanos também confeccionaram objetos e santos utilizados na decoração dos interiores (fonte: Memorial Globo).

E Mangue Seco? Em princípio, não houve filmagens por lá. Entretanto, fotos das dunas e dos coqueiros de Mangue Seco foram utilizadas na composição de cenários da novela por meio de computação gráfica. Fotos de mangue seco foram projetadas ao fundo do cenário por meio de projetores super potentes para construir, por exemplo, as cenas da abertura da novela com a modelo Isadora Ribeiro. Para saber mais sobre os bastidores da novela, clique aqui.

Entretanto, o filme Tieta do Agreste (1996), de Cacá Diegues, com a participação de Sônia Braga, Marília Pera, Chico Anísio e do próprio Jorge Amado, teve cenas gravadas em Mangue Seco, conforme revela a Cinemateca Brasileira.

Área de Proteção Ambiental

Com o lançamento da novela Tieta, o fluxo de turistas para Mangue Seco aumentou vertiginosamente, levantando preocupações da comunidade local e dos ambientalistas com a preservação do meio ambiente e da qualidade de vida dos seus habitantes.

Na região abrangida pelos povoados de Mangue Seco e Coqueiro, foi criada a Área de Proteção Ambiental (APA) Mangue Seco (Decreto Estadual 605/91), com o objetivo de preservar as espécies da flora e fauna da região, algumas em vias de extinção, e conservar formação das dunas, as restingas e o ecossistema do estuário da bacia do rio Real, rico em manguezais.

A criação dessa unidade de conservação visou, por exemplo, impedir o desmatamento irracional do manguezal, que constituía, à época, a principal fonte proteica para a população local (caranguejo).

Para alcançar esses objetivos, foram estabelecidas restrições ao direito de propriedade na área de proteção ambiental, exigindo-se, por exemplo, o licenciamento obrigatório para todas as atividades e empreendimentos.

De qualquer forma, ainda permanecem as preocupações dos ambientalistas com a ocupação desordenada do local, a devastação e ocupação dos mangues, com a contaminação do lençol freático por esgoto doméstico e com a destinação inadequada do lixo (fonte: INEMA/BA).

Além disso, o turismo predatório provoca diversas consequências ambientalmente indesejadas, merecendo atenção da sociedade e dos órgãos ambientais (fonte: Plano de Manejo da APA):

  • o tráfego de bugres pelas dunas altera a topografia original das dunas,
  • a locomoção de veículos na orla acarreta prejuízos à desova das tartarugas,
  • a movimentação das dunas causando assoreamento do rio Real,
  • copos de plástico, latas de cerveja e restos de comida acabam espalhados ao longo das praias, dunas, no estuário do rio Real e nos locais de acampamento.

Em razão dessa preocupação ambiental, não há estradas pavimentadas que chegam até o povoado. É necessário pegar um barco, conforme veremos a seguir.

Roteiro do Passeio

O trajeto até Mangue Seco pode ser feito a partir de Aracaju/SE ou de Salvador/BA. Você pode fazê-lo por conta própria ou com um tour organizado.

Fizemos o passeio com um tour organizado em 2008. Desta vez, alugamos um veículo em Aracaju e fizemos o passeio por conta própria, o que nos permitiu visitar vários pontos turísticos ao longo do caminho, na ida e na volta.

Em Aracaju, seguimos pela Rodovia dos Náufragos em direção sul. Cruzamos a Ponte Joel Silveira, sobre o Rio Vazabarris, e pegamos a rodovia SE-100. Passamos pela praia da Caueira e fizemos nossa primeira parada na Lagoa dos Tambaquis.

A Rodovia dos Náufragos é paralela à avenida litorânea, conhecida como “Sarney”, que segue para as praias do litoral sul de Aracaju. Para ir para Mangue Seco, é mais conveniente seguir pela Rodovia dos Náufragos, pois, na avenida litorânea, o trânsito de veículos para as praias costuma ser elevado, especialmente, nos feriados e finais de semana.

1. Lagoa dos Tambaquis

Lagoa dos Tambaquis, Sergipe
Guarda-sóis às margens da Lagoa dos Tambaquis

A Lagoa dos Tambaquis é uma imensa lagoa de tons esverdeados formada por águas pluviais. Está localizada às margens da rodovia SE-100, no município de Estância/SE, bem próxima à Praia do Abaís.

A lagoa foi povoada com Tambaquis com o objetivo de mantê-la limpa e fazer o controle biológico do caramujo hospedeiro da esquistossomose. Trata-se de um método com baixo impacto ambiental (fonte: Codevasf).

Os tambaquis, além desta função biológica, fazem a alegria dos turistas e locais. Paga-se em torno de R$ 5 por um saquinho de ração para poder alimentar os tambaquis e ficar bem pertinho deles.

Para visitar a lagoa, o turista tem que escolher um dos restaurantes que ficam em torno da atração. Não há uma área pública. Os restaurantes costumam ter uma boa estrutura com guarda-sóis às margens do lago e oferecer serviços de aluguel de caiaques ou de pranchas para a prática de Standup Paddle (SUP).

Mas, paramos apenas para conhecer a lagoa e continuamos nosso trajeto para Mangue Seco.

2. Porto da Nangola

Porto da Nangola, Porto do Mato, Estância, Sergipe
Porto da Nangola, Estância-SE

Para chegar até Mangue Seco, é necessário pegar um barco. Não há estradas pavimentadas até o povoado. Carros comuns não conseguem chegar até lá e mesmo veículos 4×4 tem dificuldade para trafegar.

Os barcos partem de dois portos: o Porto da Nangola, em Estância/SE, e o Atracadouro do Pontal, em Indiaroba/SE.

Para quem vem de Aracaju, o Porto de Nangola é o mais conveniente. O translado custa em torno de R$ 180 a lancha (ida e volta) e o pagamento deve ser feito em dinheiro. Para quem vem de Salvador, é mais conveniente pegar o barco no povoado de Pontal. O translado, neste caso, é mais curto e mais barato. Custa R$ 120 a lancha (ida e volta).

Há estacionamento ao lado de ambos os portos. No Porto de Nangola, a diária custa R$ 10. Em Pontal, há várias opções de estacionamento.

É possível incluir no passeio de barco uma visita à Ilha da Sogra e à Ponta do Saco, pontos turísticos que ficam Sergipe, mas próximos a Mangue Seco.

Curiosidade: foi ao lado do Porto de Nangola que caiu a aeronave que vitimou o cantor Gabriel Diniz em 2019. O cantor, conhecido pela música “Jenifer”, viajava para Maceió/AL em uma aeronave de pequeno porte. 

3. Lancha para Mangue Seco

Lancha para Mangue Seco pelo Rio Piauitinga
Lancha para Mangue Seco pelo Rio Piauitinga

Contratamos o serviço de transporte juntamente com um casal sergipano, o que ajudou a dividir o preço da lancha. É necessário combinar um horário de retorno.

Desembarque em Mangue Seco, Bahia
Desembarque em Mangue Seco

O percurso é muito bonito, passando por rios, mangues e ilhas de areia, mas dura apenas 15 minutos. Partindo do Rio Piauitinga, passamos pela Ilha do Sossego e entramos no Rio Piauí para depois cruzarmos o Rio Real e desembarcar em Mangue Seco. O Rio Real e o Rio Piauí se misturam e desaguam juntos no mar.

4. Passeio de Buggy

Passeio de Buggy pelas Dunas de Mangue Seco
Passeio de Buggy pelas Dunas de Mangue Seco

Chegando ao povoado de Mangue Seco, procuramos a Cooperativa dos Bugueiros, que atualmente faz a intermediação dos passeios de buggy na região. Os preços são tabelados e não dá para acertar diretamente com o bugueiro.

Os preços aumentaram muito desde 2008, quando visitamos pela primeira vez. À época, o translado para a praia custava R$ 5,00. Hoje, o valor apenas do translado é foi de R$ 100,00 (ida e volta).

O pagamento deve ser feito em dinheiro. A cooperativa não aceita cartões de crédito.

Dunas de Mangue Seco, Bahia
Dunas de Mangue Seco

Há basicamente dois tipos de passeios de buggy que você pode fazer: um curto e um longo (veja nas perguntas abaixo). Fizemos o passeio curto na primeira vez que visitamos Mangue Seco (2008). Desta vez, só pegamos o translado para a praia.

Você tem que combinar um horário para o bugueiro te pegar na praia.

5. Praia de Mangue Seco

Praia de Mangue Seco, Bahia
Praia de Mangue Seco

A Praia de Mangue Seco é uma ampla faixa de areia com algumas barracas rústicas cobertas de palha. A praia é deserta e a infraestrutura precária. Havia mesas e cadeiras de plástico e algumas espreguiçadeiras de madeira. Todas de baixa qualidade.

Barracas com cobertura de palha, Praia de Mangue Seco
Barracas na praia de Mangue Seco

Paramos na barraca “Por do Sol”. Pedimos um peixe frito que vinha com alguns acompanhamentos (arroz, tomate, cebola e feijão). Entretanto, a comida não me agradou. Com as bebidas, a conta saiu por R$ 113,30. Nas barracas, é possível pagar com cartão de crédito.

Na praia, você também pode fazer passeios de quadriciclo.

7. Praia do Saco

Dunas na Praia do Saco, Estância, Sergipe
Dunas na estrada de acesso à Praia do Saco, Estância-SE

Em torno das 15 horas, retornamos para ao Povoado de Mangue Seco e pegamos o barco de volta para o Porto da Nangola. Seguimos, então, de carro para a Praia do Saco.

Praia do Saco, Estância, litoral sul de Sergipe
Praia do Saco (norte)

A Praia do Saco é a praia (e um bairro) mais ao sul de Sergipe já quase na divisa com a Bahia. Está localizada no município de Estância a 65km de Aracaju (Atalaia). É um paraíso natural. Suas dunas, coqueirais, areia branquinha e mar azul com águas calmas e quentinhas tornam esse passeio imperdível.

As dunas da Praia do Saco compõem uma extensa faixa que corre paralela à praia e à estrada que dá acesso ao bairro. Por vezes, a areia das dunas acaba ocupando um trecho da estrada de mão-dupla.

Ao norte, a praia do saco é uma bonita extensão de areia com coqueiros. O mar é um pouco agitado. Casas e pousadas ficam à beira da praia.

Praia do Saco, Sergipe
Praia do Saco (sul) em Sergipe

Ao sul, as praias são cercadas por pedras. A impressão que tive foi que as pedras foram lá colocadas para evitar que o mar avançasse sobre as casas. Nessa região, há muitos bares e restaurantes com acesso à praia.

8. Praia do Abais

Praia do Abaís, Estância, Sergipe
Praia do Abais, Estância/SE

Também localizada no município de Estância/SE, a Praia do Abais possui 20km de extensão. A areia é branca, as águas mornas e as ondas moderadas.

9. Praia da Caueira

Praia da Caueira, Itaporanga D'Ajuda, Sergipe
Praia da Caueira, Itaporanga D’Ajuda, Sergipe

Localizada no município de Itaporanga D’Ajuda, a Praia da Caueira fica relativamente deserta durante a semana. Aos finais de semana, é tomada pelos locais. Possui um mar escuro, com águas quentes mas levemente agitado, o que pode ser propício para a prática de esportes. Na beira, há uma faixa de pedras e o acesso à areia é feita por uma escada de madeira.

Quando visitamos recentemente, a maré estava alta e o mar ocupava toda a faixa de areia da praia. ´

Perguntas e Respostas

1. Como chegar a Mangue Seco?

Para chegar a Mangue Seco, a partir de Salvador ou Aracaju, você pode contratar um Tour Organizado ou ir por conta própria. Neste caso, terá que estacionar no Porto da Nangola, em Estância/SE, ou no Povoado de Pontal, em Indiaroba/SE. Em seguida, contrate uma lancha para deixá-lo em Mangue Seco. Combine com o barqueiro o horário de retorno.

2. É possível ir de carro até Mangue Seco?

Em regra, não. Não é possível chegar de carro comum até Mangue Seco. Não há estradas pavimentadas até o povoado. O acesso é feito por estradas de terra e de areia. Mesmo assim, se você vem de Aracaju, seria necessário fazer uma enorme volta ao sul para pegar a rodovia BA-396.

Segundo informações de locais, há trechos de estrada muito esburacados e até mesmo veículos 4×4 podem ter dificuldade para chegar até Mangue Seco. A maior parte dos veículos que circulam em Mangue Seco são bugres, que tem facilidade para trafegar na areia e nas dunas.

3. Onde pegar a lancha para Mangue Seco?

É possível pegar as embarcações (barcos ou lanchas) para Mangue Seco a partir de dois portos: o Porto da Nangola, na região de Porto do Mato, em Estância/SE, e o Atracadouro do Pontal, no Povoado de Pontal, em Indiaroba/SE. O primeiro é mais conveniente para quem vem de Aracaju e o segundo para quem vem de Salvador.

O trajeto a partir do Porto da Nangola passa por vários rios (por exemplo, Rio Piauí, Rio Real) e áreas de mangue. O preço da lancha para 5-6 pessoas custa R$ 180,00 (ida e volta).  O trajeto a partir do Atracadouro do Pontal é curto. Ele apenas cruza o Rio Real. O preço da lancha custa R$ 120,00 (ida e volta).

Você combina com o barqueiro o horário de retorno. Os valores são referentes a fevereiro/2021. Segundo os locais, alguns donos de estacionamentos localizados no Pontal tem barcos e podem fazer um desconto para o trajeto.

Existe, ainda, o Atracadouro Porto do Cavalo, em Estância, às margens do Rio Jacaré. É mais usado por embarcações maiores, tais como, escunas usadas em tours organizados. O local é um pouco abandonado e, segundo me informou um barqueiro, um pouco perigoso. Em razão disso, ele recomendou que utilizássemos o Porto da Nangola.

4. Quanto custam os passeios de buggy em Mangue Seco?

O passeio mais curto custava em torno de R$ 130 por bugre (até 4 pessoas). Dura em torno de 50 minutos. São 5 paradas. No trajeto, você passa pelas dunas, aprecia algumas vistas, tem uma parada para “skibunda”, passa pelo Morro do Caju e pelos Coqueiros Romeu e Julieta. Depois segue para a Praia de Mangue Seco.

O passeio mais longo custa  R$ 200 e dura em torno de 1h30min. Além de passar pelos pontos acima, você visita também o povoado de Coqueiro e faz uma parada para comer o pastel da Dona Aurora.

Apenas o translado para a praia custou R$ 100 (ida e volta).

5. Quanto custa fazer o passeio de Mangue Seco por conta própria?

O passeio para Mangue Seco por conta própria a partir de Aracaju custa em torno de R$ 470,00 para duas pessoas (gasto total). A tabela a seguir descreve cada item de gasto que tivemos em nosso passeio.

Item de Gasto Valor (R$)
1. Aluguel de Carro (básico) R$ 110,00 (diária)
2. Combustível R$ 55,00
3. Lancha para Mangue Seco R$ 90,00 (dividindo c/ casal)
4. Translado para a Praia R$ 100,00
5. Almoço na Praia R$ 113,30
Total R$ 468,30

Se você quiser ir com um tour organizado, há várias agências que prestam esse serviço em Aracaju. Encontramos preços a partir de R$ 110,00 por pessoa. Entretanto, o tour inclui apenas os itens 1 a 3 acima. Você deve acrescentar o valor do passeio de buggy e a alimentação em Mangue Seco.

6. É melhor chegar a Mangue Seco a partir de Salvador ou de Aracaju?

É melhor visitar Mangue Seco a partir de Aracaju, em Sergipe. De Salvador até o povoado Pontal são 270 km de estrada ou, pelo menos, 3 horas e meia de carro, sem considerar o trânsito na saída da capital baiana.

Em razão disso, fica muito cansativo fazer um bate e volta de Salvador para Mangue Seco no mesmo dia. Os tours organizados custam em torno de R$ 250 por pessoa e duram 12 horas.

A partir de Aracaju, são 67 km até o Porto da Nangola, o que, de carro, leva 1 hora e 10 minutos, sobrando mais tempo para você aproveitar o destino turístico.

7. O que levar para o passeio de Mangue Seco?

É importante levar para o passeio de Mangue Seco os seguintes itens:

  • dinheiro, para efetuar o pagamento dos passeios de buggy ou de barco
  • óculos de sol
  • boné
  • protetor solar
  • garrafa de água
  • toalhas e outros artigos para banho.

8. É possível se hospedar em Mangue Seco?

Hospedar-se em Mangue Seco e arredores é uma opção para o viajante que tem tempo sobrando e que deseja fazer várias atividades pela região. Porém, é importante mencionar que nos povoados não há vida noturna.

Você pode se hospedar no povoado de Mangue Seco ou no povoado de Coqueiro. Dentre as acomodações disponíveis, encontram-se hostel, hotéis e pousadas.

Em Mangue Seco, você pode se hospedar em:

No povoado de Coqueiro, você pode se hospedar no:

9. Vale a pena conhecer Mangue Seco?

É muito difícil falar se vale ou não a pena visitar um destino turístico, pois as experiências de viagem são sempre subjetivas. Qualquer lugar pode ser encantador, dependendo do momento da sua vida, das companhias etc.

Mas, pensando de forma objetiva, não creio que valha a pena visitar Mangue Seco, especialmente, se você dispõe de poucos dias livres em Aracaju. Vale muito menos a pena se você estiver em Salvador, em razão da distância.

É verdade que o passeio de barco para Mangue Seco é agradável, passa por bonitas regiões de rio, mangue e ilhas de areia. Também é verdade que o povoado de Mangue Seco é agradável, em especial, o calçadão às margens do Rio Real.

Entretanto, acho que o passeio, seja por conta própria, seja com tours organizados, é muito caro para aquilo que o destino oferece. Destaco, em especial, os passeios de buggy e de barco. Produtos de artesanato vendidos no povoado também não são baratos.

Por sua vez, a Praia de Mangue Seco tem infraestrutura precária e não tem nenhum diferencial em relação às praias de Sergipe. Particularmente, preferiria ficar nas praias do litoral sul de Aracaju, onde você encontra várias barracas com boa infraestrutura, bom atendimento e petiscos de qualidade.

É verdade que as dunas de Mangue Seco são bonitas, bem como os cenários vistos a partir dos mirantes, mas nem se comparam, por exemplo, às Dunas de Genipabu, no Rio Grande do Norte.

Por fim, acho ruim o fato de ter que agendar os horários de retorno, o que acaba tirando um pouco da sua liberdade, mesmo se você tiver viajando por conta própria.

Luciana Mardegan

Médica, 42, apaixonada por pessoas, sabores e novas culturas.

Comments (2)

  • Emanuelsays:

    18/09/2021 at 17:38

    Você saberia me informar qual o valor atual para atrevessar de catamarã por pessoa? fui em 2014 e custava 4 reais por pessoa, saberia me informar o valor atual? Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Press ESC to close

Enviando dinheiro para a Argentina via Western Union Buenos Aires: comendo bem e barato