Morro do Pai Inácio: o cartão-postal da Chapada Diamantina

O Morro do Pai Inácio é o cartão postal da Chapada Diamantina. Situado no município de Palmeiras, na Bahia, é um dos melhores (se não o melhor) miradouros da região. É um lugar de contemplação, onde o visitante aprecia as mais belas paisagens da Chapada Diamantina. Sem dúvida, é uma atração que não pode faltar no seu roteiro.

O Morro do Pai Inácio é uma formação geológica de 800 milhões de anos que pode ser vista  da rodovia BR-242, que liga Salvador a Barreiras. O morro possui dois platôs imensos no seu topo, a cerca de 140 metros de altura, levemente inclinados, que proporcionam vistas de diferentes ângulos da Chapada Diamantina. É impressionante!

“O Morro do Pai Inacio apresenta dois platos próximos. O mais alto abrange o cume de 1.170 metros de altitude, sendo designado Plato Cruz. O outro plato localiza-se cerca de 50 m abaixo, sendo aqui designado por Plato Dois. Os platos, apesar de próximos, estão sujeitos a diferentes condições ambientais. O Plato Cruz é mais inclinado, possui maior extensão de rocha exposta e maior incidência de fortes ventos e insolação” (fonte: Abel Conceição e Ana Giulietti).

No ano 2000, o Morro do Pai Inácio foi tombado pelo Iphan. O reconhecimento aconteceu a partir de uma movimentação popular que recolheu mais de mil assinaturas de pessoas do mundo inteiro em defesa do tombamento. O monumento natural já tinha sido alvo de depredações diversas: alargamento de trilhas, desmatamento de vegetação rupestre nativas e edificações visualmente poluidoras. O tombamento cria diversas restrições para as intervenções na região do morro.

Atualmente, é administrado pela Prefeitura Municipal de Palmeiras/BA e conta com o apoio do Grupo de Ambientalistas de Palmeiras (GAP).


Sobre a Chapada Diamantina, leia também:


Trilha e Visitação

Início da Trilha, Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina
Início da Trilha – Morro do Pai Inácio

O acesso ao topo é feito por uma trilha de dificuldade leve a moderada. No início, a subida é feita por uma “escada de pedras”, o que torna o trecho mais cansativo. Ao longo do trajeto, há alguns pequenos mirantes onde você já pode começar a apreciar a vista da região.

Escadaria de Madeira, Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina
Escadaria de Madeira – Morro do Pai Inácio

Mas, ao final da trilha, foram montadas escadarias de madeira que facilitam muito a vida do visitante. De qualquer forma, é uma das trilhas mais fáceis que você irá fazer na Chapada Diamantina. Leva em torno de 20 a 25 minutos para chegar ao topo.

O início da trilha fica bem próximo a Lençóis (27 km), cidade usada como principal base para explorar a Chapada Diamantina.

Cume do Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina
Cume do Morro do Pai Inácio

O cume é rochoso com várias crateras e rachaduras, onde se acumula a água da chuva. Diversas espécies vegetais se proliferam pelo topo: bromélias, orquídeas e cactos, além de líquens e musgos.

Vegetação no topo do Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina
Vegetação no topo do Morro do Pai Inácio

Não deixe de observar o famoso xique-xique, uma espécie de cacto que habita a região e que dá nome a município(s) na Bahia.

Ah! Não se esqueça de procurar a pedra em formato de coração e tirar uma foto!

Morro do Pai Inácio, Vista do Mirante Principal, Chapada Diamantina
Morro do Pai Inácio – vista a partir do mirante principal (BR-242)

No mirante principal, encontra-se uma cruz de metal. Abaixo (vista leste), está a rodovia e à direita (vista sul) você vê o “Morrão”, uma outra formação parecida, e o paredão da Serra da Bacia.

Vista Sul, Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina
Vista Sul a partir do Morro do Pai Inácio – “Morrão” ao fundo.

Do lado oposto (vista norte), outra paisagem magnífica: uma sucessão de morros com paredões de pedra e vales cobertos pela vegetação (foto em destaque). O contraste entre o verde e as pedras é incrível! Não é à toda que foi cenário de abertura de novela. Ao norte, o destaque fica para o Morro do Camelo ou Calumbi.  Na foto em destaque, o morro em formato de camelo, fica atrás do primeiro morro à esquerda.

Morro do Camelo, Vista a partir do Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina
Morro do Camelo – vista a partir do Morro do Pai Inácio

Um dos horários mais apreciados no Morro do Pai Inácio é o do pôr do sol. Infelizmente, não pudemos apreciá-lo de lá. Conhecemos a atração no final da manhã. Pelo menos, neste horário, o morro quase não tinha turistas.

Venta muito lá em cima. É importante ter cuidado com os pertences, principalmente, com o telefone celular. Também deve-se ter muito cuidado nas bordas do morro, pois não há grades de proteção.

Lenda do Pai Inácio

O nome do morro provém de uma lenda de um escravo chamado Inácio que habitava a Chapada Diamantina. São várias as versões desta lenda, mas uma das mais aceitas é a seguinte:

“Na época da escravidão, um escravo, de nome Inácio, apaixonou-se pela a filha de seu senhor, um coronel poderoso e rico proprietário de garimpos na Chapada Diamantina. Inácio era um escravo forte, belo e cobiçado por várias escravas, motivo pelo qual teve  filhos com diferentes mulheres. A paixão pela sinhazinha branca foi retribuída e os dois iniciaram um romance secreto, aproveitando-se da confiança que o coronel tinha em Inácio e, portanto, da sua proximidade com a família.

O coronel descobriu o romance e, furioso, mandou vários de seus capangas caçarem o escravo para matá-lo. Em fuga, Inácio procurou guarida no topo de um alto morro da região. Os capangas o acompanharam e o deixaram sem escapatória, pois uma vez no topo do morro, não havia outra via de saída senão um altíssimo abismo. Inácio, que na fuga havia pegado a sombrinha da sinhazinha como última lembrança de seu amor, saltou do topo do morro bem em frente aos olhos dos capangas e, durante o salto, abriu a sombrinha da amada.

Alguns contam que a sombrinha funcionou como um paraquedas e, por isso, Inácio chegou à base do morro são e salvo e que foi visto correndo por vales próximos, para nunca mais ser encontrado. Outros acreditam que Inácio conhecia muito bem aquele morro e que o salto fora somente encenação, que teria se escondido em fendas existentes apoucos metros abaixo do topo e, depois que os capangas consideraram que as buscas eram desnecessárias, ele pôde sair do morro pelo mesmo caminho de acesso. Nessa versão, Inácio teria conseguido fugir com sua amada durante a noite para nunca mais serem encontrados.” (fonte: iPatrimonio.org/GAP).

Dicas de Visitação

  • Recomendo ficar de 2 a 3 horas na atração, contemplando cada ângulo da paisagem.
  • Leve água: essencial para fazer qualquer passeio na Chapada Diamantina.
  • Leve dinheiro em espécie para pagar as entradas (R$ 12 por pessoa).
  • Vá com um calçado antiderrapante. Cuidado especialmente no trecho de descida da trilha para não escorregar nas pedras.
  • Não é necessário guia ou agência de turismo, mas é importante ter os cuidados básicos de segurança.
  • Respeite as normas básicas (e óbvias) de visitação: não fazer fogueira; não retirar pedras, plantas ou animais; trazer o seu lixo de volta, etc.
  • A capacidade máxima da atração é de 60 pessoas. Só é permitida a entrada de grupos de até 10 pessoas.
  • Você pode combinar a visita do Morro do Pai Inácio com o passeio às Grutas da Lapa Doce ou a Gruta Azul, na região de Itaquara/BA.
  • O Pôr do Sol é um dos melhores momentos para visitar o Morro do Pai Inácio. Entretanto, é importante chegar antes das 17h. A partir deste horário, não é mais permitido subir na trilha.

Como chegar?

Morro do Pai Inácio, Vista a partir da BR-242, Chapada Diamantina
Morro do Pai Inácio: vista a partir da BR-242

O Morro do Pai Inácio está situado a 27 km de Lençóis/BA. O acesso é feito pela BR-242, no sentido Barreiras. Da rodovia, é possível avistar o morro de longe.

Estacionamento, Morro do Pai Inácio, Chapada Diamantina
Estacionamento no Morro do Pai Inácio

Após passar pelo morro, na altura do Km 345, pegue uma estrada de terra à direita. Fique atento aos buracos e valas no início da estrada! São 2 km de subida até o estacionamento, a recepção e o início da trilha. É fácil de encontrar: basta ver uma torre de telecomunicações!

Trilha Lençóis – Morro do Pai Inácio

Sabia que existe uma trilha que vai de Lençóis até o Morro do Pai Inácio? Com 16 km, era a antiga estrada que dava acesso à cidade de Lençóis. É um percurso moderado que passa pelo povoado de Barro Branco.

Para fazer essa trilha, é recomendável contratar um guia ou uma agência de turismo, pois você pode acabar se perdendo no caminho. Há tours organizados de 1 dia que te levam de carro até o Morro do Pai Inácio e, a partir de lá, você pega a trilha de volta para Lençóis. Os pontos visitados no percurso de volta são:

  • Rio Mucugezinho (com possibilidade de banho)
  • Garganta da Serra do Rio Mucugezinho
  • Povoado do Barro Branco (com possibilidade de banho no rio Barro Branco)
  • Ruinas de casas antigas de garimpeiros

Resumo

O Morro do Pai Inácio é uma atração que não pode faltar no seu roteiro pela Chapada Diamantina. De fácil acesso, o morro proporciona vistas incríveis da região e um belíssimo pôr do sol. É um lugar para contemplar e para deixar se encantar.

  • Nível de dificuldade: leve/moderada.
  • Distância: cerca de 500 metros de subida até o topo (20-25 minutos de caminhada).
  • Tempo: 2 horas é tempo suficiente para conhecer a atração. Entretanto, vale muito a pena ficar contemplando a Chapada Diamantina a partir do Morro do Pai Inácio por várias horas.
  • Preço: R$ 12 (ingresso por pessoa)
  • Horário: 9 às 17 h (última entrada às 17h).
  • Guia: não é obrigatório. É recomendável contratar um guia, se você fizer a trilha Lençóis – Morro do Pai Inácio.
  • Cidade base: Lençóis/BA.

Emerson Cesar

Apaixonado por viagens e por fotografia. Começou a descobrir o mundo há 10 anos e já visitou 71 países. Gosta de caminhar a esmo pelas cidades mundo afora, observando as pessoas, as comidas, as construções e a arquitetura. É formado em Engenharia e Direito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Press ESC to close

Enviando dinheiro para a Argentina via Western Union Buenos Aires: comendo bem e barato